Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Perhaps não são ervilhas!

Se tudo na vida fosse perfeito não havia talvez. E perhaps eram ervilhas...

Não tenho nada contra quem é anti praxe, mas...

por António, em 06.10.14

...aparentemente eles tem tudo contra mim, que fui praxista!

Luís Pedro Nunes protagonizou, a meu ver, uma das mais lamentáveis intervenções contra a praxe. Concordo que as praxes que gozaram com o Meco foram de mau gosto, desnecessárias e totalmente reprováveis. Mas isso não dá o direito a ninguém de chamar a praxistas e praxados "grunhos", "imbecis" e "merdas" e dizer que os alunos que compactuam com as praxes deviam ser expulsos das universidades! 

O mais interessante no meio disto tudo, e não estou a desculpar qualquer praxe, é a falta de moral que é preciso ter para se dizer isto num programa - o eixo do mal - que tece comentários sarcásticos e piadas sobre a actualidade!

Cada um é livre de dar a sua opinião sobre a praxe, cada um é livre de integrar ou não a praxe. O mais curioso é que sempre vi anti praxe nos recintos das latadas e queimas, sabendo-se perfeitamente que as actividades académicas são um produto da praxe! 

Sejamos sinceros, nunca vi praxistas incomodar-se tanto com pessoas anti praxe, como vejo anti praxe incomodar-se tanto com pessoas praxistas! 

 

3 comentários

  • Imagem de perfil

    De Joana Pires a 10.10.2014 às 09:03

    A generalização é muito bem aplicada, mais uma vez. Mas, volto a repetir, praxe não é aquilo que o senhor refere no seu comentário. E muito menos são consideradas praxes as situações referidas pelo comentador no vídeo. Essas sim, completamente descabidas, sem respeito pela existência humana e pelo sofrimento das famílias dos estudantes que morreram no Meco. Não discuto, no entanto, se o que aconteceu no Meco foi ou não praxe. Acho que as famílias já estão a sofrer demasiado com a perda...
    Deixe-me apenas acrescentar que se há coisa de que praxe não é sinónimo é de maus resultados escolares. Isso posso garantir-lhe.
    E mais... Mudar "o país e o mundo" (como diria Rodrigo de Carvalho no final do Jornal da Noite da SIC) não depende de ter estado ou não envolvido com a praxe.... Depende da vontade de um povo (vontade colectiva, portanto!) e das crenças de todos nós. Talvez se acreditassem um pouco mais nos jovens e lhes dessem oportunidades o país não estivesse como está. Talvez. Porque de certeza que o estado de Portugal não deriva da praxe!
  • Sem imagem de perfil

    De José a 11.10.2014 às 08:37

    Não, nós só mudámos o país, o mundo já estava mudado. E sabe que mais, ninguém acreditava em nós. Por acaso, se vir as listagens das associações académicas, das imposições da praxe e dos políticos que exerceram cargos nos governos ao longo dos anos, ficará bastante surpreendida com a ingerência política na praxe. Mas isso sou eu, um velho a falar...
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.